Gatos de 3 cores = fêmea?

É mesmo verdade que gatos de três cores só podem ser fêmeas? Desde pequena eu escutava essa frase, e estava totalmente convencida do assunto. Já fui dona de uma linda tricolor, menina claro, e todos os machos que eu tive eram sempre de cores únicas ou bicolores. Até sábado passado. Nesse dia adotamos nosso novo gato, Cookie, um poço de energia, pequeno életrico que encanta todo mundo com seus belos olhos azuis. Olhos estes, que junto com as escaladas na grade da gaiola, fizeram com que a gente se apaixonasse, mesmo diante da placa “ainda não disponível para adoção” pregada na ficha dele. Mas pedimos tanto (o que 4 crianças não conseguem fazer) que o homem do CCZ permitiu que adotássemos ele. Na verdade ele foi com a nossa cara. O gato e o homem. Isso porque ele próprio havia salvado o Cookie, com poucos dias de vida, ainda olhos fechados, da boca de um cachorro. Gato sortudo. Gato único. Desde sempre.

Ontem comecei a reparar numa linda mancha marrom que ele tem em forma de coração, nas costas, e daí para pensar nas cores da pelagem dele foi um passo. Peraí! Ele é predominantemente branco, com manchas pretas e rabo preto, e também com manchas marrons! Como assim? Macho? 3 cores? E ele é macho mesmo, já peguei castrado e não há margem para dúvidas nesse “quesito”.

Fui pesquisar o assunto, e diminuir a minha ignorância (e também a minha certeza) em relação ao mundo dos gatos. Encontrei a resposta, e realmente ela só prova que, de comum, esse gato não tem nada. Especial que só ele. A verdade é que 1% dos gatos tricolores são machos e, ainda assim, frutos de uma anomalia cromossômica. Para entender como é definida a pelagem dos gatos, primeiro é preciso saber duas coisas: a característica é herdada dos pais do animal e os genes das cores (preto, branco e amarelo/marrom) estão presentes no cromossomo X. Na reprodução, a fêmea passa para o filhote um cromossomo do tipo X e o macho pode enviar um X, dando origem a uma fêmea (XX), ou um Y, formando um macho (XY). Para uma fêmea ter três cores ela precisa possuir um cromossomo X com o gene amarelo/marrom e o outro X com o gene branco dominante. No caso do macho, para ele ser tricolor, precisaria ter também dois cromossomos X (como as fêmeas), além de mais um cromossomo Y, que o torna do sexo masculino. Isso resultaria numa aberração cromossômica. (Ah vai, ele não é aberração! É muito lindo, com uma energia sem fim, disposto a atacar qualquer coisa que se move: macho ou fêmea).

E ainda tem mais. Quando tal raridade acontece, o gato tricolor (XXY) é estéril. Ou seja, a castração do Cookie foi inútil. De uma forma ou outra, ele não poderia ter filhotes mesmo. Mais um ponto para ele, gatinho tão incomum: não deixará descendentes. Que viva enquanto puder, 15 ou mais anos, alegrando a todos nós com sua personalidade única. Hoje eu sei que não fui eu que o escolhi, ele que nos escolheu. Gato especial mesmo.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s